Escandiuzzi

Procuram-se boas notícias. Mas enquanto elas não surgem….

Posts Tagged ‘meio ambiente

Coisas belas de Florianópolis…..

with 3 comments

Morro das Pedras hoje estava um espetáculo…

Dia deslumbrante e as duas baleias franca dividindo o espaço com os surfistas…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Written by Fabrício Escandiuzzi

agosto 13, 2012 at 4:38 am

A belezura da Armação

with one comment

Há dois anos, a prefeitura investiu dez milhões para construir esse muro na praia da Armação…

O objetivo era conter o avanço do mar e evitar que novas casas fossem destruídas.

Também prometeram outros tantos milhões para recuperar a orla, fazer um projeto de revitalização para que o local ficasse com o visual legal. Uma boa, já que esse muro de pedras deixa uma das praias mais bonitas de Florianópolis muito estranha.

Passaram-se dois anos e cadê a obra?? Virou mais uma lenda da ilha cheia de casos e ocasos raros.

Ou será que a tal revitalização é esse asfalto lindo que colocaram em cima do muro???

Deem uma olhada na belezura que ficou…..

Written by Fabrício Escandiuzzi

julho 23, 2012 at 10:56 pm

Tartarugas na Barra da Lagoa

leave a comment »

Biólogos do projeto Tamar soltaram 35 filhotes de tartarugas na praia da Barra da Lagoa, em Florianópolis, durante a manhã deste sábado.

As pequenas tartarugas, que pesavam em média dez gramas, foram colocadas na areia da praia. Dezenas de pessoas acompanharam a soltura e um cordão de isolamento chegou a ser montado  para que os animais conseguissem realizar o trajeto até o mar.

Os animais, da espécie cabeçuda, tinham apenas cinco dias de vida e foram encontrados tentando atravessar a areia da praia do Campeche na última segunda-feira.

Embora já tenham existidos relatos de desova de tartarugas nas praias de Florianópolis, o fato é considerado raro para os profissionais do projeto Tamar. De acordo com o biólogo Gustavo Stahelin, coordenador técnico do órgão, foi a primeira vez que nascimento da espécie foi acompanhado em Santa Catarina.

Não é uma área regular de reprodução, mas existem raros relatos de nascimento de tartarugas neste trecho da costa brasileira”, disse. “Foi a primeira vez que o Tamar acompanhou nascimento de tartarugas da espécie cabeçuda no estado”.

Os biólogos chegaram à praia do Campeche na segunda-feira assim que foram informados que várias tartarugas tentavam atravessar a faixa de areia. No total, segundo Stahelin, nasceram 93 filhotes e a grande maioria conseguiu chegar ao mar ainda no início da semana. As que foram recolhidas dificilmente sobreviveriam aos primeiros dias de vida.

Essas que foram resgatadas estavam dentro da terra e possivelmente iriam morrer ainda na praia”, disse. “Cuidamos delas nesses dias e fizemos a soltura para garantir que todas chegassem ao mar”.

A tartaruga da espécie cabeçuda é a que ocorre com maior frequência no litoral brasileiro. Ela pode viver até 80 anos e quando adulta chega a pesar 150 quilos.

A unidade do Tamar em Florianópolis está localizada na praia da Barra da Lagoa, a cerca de 25 quilômetros da região central. O grupo trabalha com conscientização ambiental de pescadores e visitantes e mantém cinco tanques de observação com tartarugas adultas de espécies que habitualmente desovam na costa do Brasil.

Vale a pena dar uma conferida na sede do projeto.

Written by Fabrício Escandiuzzi

fevereiro 13, 2011 at 6:39 am

Harper, Donavon e Floripa

with 2 comments


 

Written by Fabrício Escandiuzzi

fevereiro 7, 2011 at 12:26 am

Após o Harper, o Berger

with 2 comments

 

É bom deixar claro, antes de mais nada, que eu escrevi várias vezes que estava torcendo para queimar minha língua.

E que bom que eu a torrei.

Eu não tinha nenhuma dúvida que o show, as apresentações, seriam ótimas. E foram mais do que isso.

A organização do evento funcionou direitinho lá dentro, tirando uma ou outra dificuldade dos seguranças e de parte da produção em passar informações corretas. Não consigo entender porque alguns que trabalham em segurança são tão grossos, mas é bom relevar diante da quantidade de gente que estava lá.

A imensidão de pessoas na praia do Campeche foi algo que eu nunca havia visto. Hoje pela manhã, a rapaziada da COMCAP limpou tudo rapidinho. O cercado para a área de preservação está de pé. Isso apesar do local ter sido farta e largamente usado pelo pessoal que estava na praia para dar aquela “turbinada ilícita”.

O espaço de preservação também virou banheiro público das pessoas que não conseguiram entradas e acompanharam tudo na praia.

Uma falha, é preciso banheiros na praia, ainda mais sabendo a quantidade absurda de pessoas que foram ao evento.

 

 

O show realmente foi único.

A japonesinha Sabrina Sato e o orelhudo do Carioca tratavam a todo instante de pedir cuidado com o meio ambiente ao pessoal que estava no show.

Dentro, mil maravilhas. O problema realmente ela lá fora, mas foi bem menor do que o pessoal temia.

Mas se engana quem pensa que tudo correria tão bem não fosse a pressão local contra a organização. O fato de dois shows terem sido marcados “aliviou a tensão”. Muito mais gente seguiria para o Campeche caso fosse apenas uma apresentação.

Se não houvesse cobranças e acompanhamento por parte dos moradores e de parte da imprensa, teríamos sim, um estrago maior. Menos seguranças, menos organização e claro, menos um show. Percebi que boa parte da equipe de produção se dedicou muito para tentar fazer algo com o menor impacto possível.

Não sei como foi o trânsito, que deve ter sido diluído ao longo do dia…

Posso dizer como foi para quem mora no Campeche, teve  impacto sim. Mobilidade restrita, movimento exagerado, onde podia-se andar estava engarrafado…

 

Por fim, acho que a mobilização e a polêmica em torno desta questão foram muito importantes.

Florianópolis precisa debater seu futuro com seriedade, não com as coisas feitas nas coxas como há muito tempo vem sendo feito.

Construções no bairro, que brotam da terra de um dia para o outro para depois serem autorizadas pelo poder público, precisam ser contidas ou melhor analisadas.

Aquele Plano Diretor medíocre encomendado junto a uma empresa da Argentina precisa ser finalizado, discutido.  A comunidade, e isso em qualquer bairro, não pode ter que engolir certas coisas goela abaixo como fazem.

O show do Ben Harper e de Donavon Frankenreiter, em especial, foram sensacionais. Ali dentro do espaço, tudo ocorreu muito bem e queimei a minha língua, graças a Deus….

Só esperamos mais seriedade por parte de organizadores de eventos ANTES de anunciar seus espetáculos.

Da prefeitura principalmente, esse evento foi positivo: chegou uma chance de ouro que as autoridades não podem ser cretinas de desperdiçar. Após toda a polêmica, é momento de chamar a comunidade e definir o que pode, o que não pode, o que talvez possa e o que não deve ser feito de jeito nenhum.

Pessoal precisa estar junto e não ficar nessa lenga de discussão “haole” ou “nativo”, como ainda fazem questão de pregar alguns com o QI prejudicado pela falta de neurônios.

O pessoal que vive em Floripa não deve esquecer de toda a polêmica só porque no palco, os cantores fizeram o que mais sabem fazer: Dar um belo show.

Espero que a questão não pare por aqui. Após o Harper, é hora de cobrar o plano diretor decente do Berger.

 

Written by Fabrício Escandiuzzi

fevereiro 7, 2011 at 12:06 am

Ben Harper: um é muito, dois é bom….

with 3 comments

 

 

Segue trecho em vídeo de reunião do vice prefeito João Batista Nunes com os moradores do Campeche, sobre a questão do já polêmico show do Ben Harper no bairro.

O depoimento dele é sensacional: menos de doze horas antes da decisão, ele é categórico ao dizer que haveria um show no bairro e outro no norte da ilha. A promessa durou poucas horas.

Acho até que a questão de se fazer dois shows pode significar um alívio aos moradores do bairro no sábado. O apelo do músico em apenas uma apresentação significaria sim, uma grande bagunça. Neste caso, um é pouco e dois é bom…

Mas tudo que relaciona ao vice prefeito, confesso que me assusta. Embora seja boa pessoa, não demostra os conhecimentos que acha possuir, principalmente na questão de infra estrutura e trânsito.

Basta ver a lambança feita na “humanização” da avenida Paulo Fontes. Além de ferrar com o meio campo de quem mora na região sul da cidade, o “projeto” assusta pela feiúra. Aqueles vasos medonhos de tão horríveis no meio da via não fazem jus às belezas de nossa cidade. Aquilo para mim é a coisa mais feia, porca e mal feita de Floripa.

Até em cemitério os vasos são mais bonitos.

Por isso, continuo com receio e torcendo para queimar minha língua. Pelo retrospecto, o que é planejado pelo vice prefeito não desce muito redondo…..

Esse vídeo mostra que nossas autoridades mudam de opinião com uma “volatidade” surpreendente….

A alternativa de dois shows pode significar uma melhora no fluxo de visitantes… Mas por que dizem uma coisa e logo depois anunciam outras??

 

Written by Fabrício Escandiuzzi

fevereiro 5, 2011 at 5:02 am

Armação depois da ressaca

with one comment

 

Fiz esse VT alguns dias e não sei por que acabei deixando de colocá-lo no blog…Agora segue…

Mostra que a praia da Armação do Pântano do Sul, apesar de toda a destruição causada pela ressaca, continua atraindo mais e mais visitantes neste verão…

O lugar continua maravilhoso mesmo com o muro horrendo construído para conter o avanço do mar. O bom é que a estrutura parece ter funcionado, virou uma área de caminhada para os banhistas.

Para chegarem ali perto do molhe, os visitantes ainda precisam passar por um perrengue e atravessar a barreira de pedras… Mas, nas férias tudo está valendo…

Quem quiser ver como está a praia depois de tudo aquilo, pode dar uma conferida…

 

 

Written by Fabrício Escandiuzzi

fevereiro 3, 2011 at 9:21 pm